O pistão de fogo!

Neste arquivo iremos colocar os problemas já resolvidos (não são problemas "mortos" porque a discussão pode continuar a qualquer altura!)

O pistão de fogo!

Mensagempor jap em Sexta Fev 29, 2008 6:32 pm

Eis aqui uma experiência com efeito dramático: :lol:

coloca-se um pedacito de papel num tubo de plástico que contem ar e um pistão que desliza no tubo (mas sem "folga"). Com uma compressão rápida do ar num movimento brusco do pistão o papel arde!

Ora vejam aqui: :D


Fogo!

Detalhe em câmara lenta

Peço-vos que analisem o processo, do ponto de vista termodinâmico sabendo que:

a) a altura do tubo é 17,9 cm e o seu diâmetro 1,0 cm
b) a temperatura inicial do ar é 300 K e a pressão é 1 atm
c) a força média que o experimentador exerce sobre o pistão é de 5 kgf
d) a temperatura a que arde o papel é 233 º C

Peço-vos que calculem a temperatura do ar no final da compressão rápida do pistão e verifiquem que o os cálculos não deixam margem para dúvidas: o papel vai *mesmo* arder! :lol:

Nota: o processo de compressão é muito rápido pelo que pode ser considerado adiabático (em boa aproximação) e, claro, irreversível!
José António Paixão
Departamento de Física da FCTUC
Avatar do utilizador
jap
Site Admin
Site Admin
 
Mensagens: 6801
Registado: Quinta Nov 09, 2006 9:34 pm
Localização: Univ. de Coimbra

Mensagempor hexphreak em Sexta Fev 29, 2008 6:40 pm

Consideramos que o pistão vai até ao fundo do cilindro? No vídeo (que é impressionante) parece ser uma boa aproximação :roll:
Avatar do utilizador
hexphreak
top-Quark!
top-Quark!
 
Mensagens: 1959
Registado: Segunda Nov 05, 2007 8:52 pm
Localização: Maia/Porto

Mensagempor jap em Sexta Fev 29, 2008 6:43 pm

hexphreak Escreveu:Consideramos que o pistão vai até ao fundo do cilindro? No vídeo (que é impressionante) parece ser uma boa aproximação :roll:


Não, vais ter de calcular o volume final.

Mesmo que se exercesse uma pressão infinita sobre o ar, posso demonstrar-te que o volume não tende para zero ( :shock: ) mas sim para 2/7 do volume inicial!

Portanto, é preciso calcular o volume final a partir dos dados - assumindo que se exerce uma pressão constante sobre o pistão. :wink:
José António Paixão
Departamento de Física da FCTUC
Avatar do utilizador
jap
Site Admin
Site Admin
 
Mensagens: 6801
Registado: Quinta Nov 09, 2006 9:34 pm
Localização: Univ. de Coimbra

Mensagempor hexphreak em Sexta Fev 29, 2008 6:46 pm

Ah bom, assim está-se a tornar engraçado :D Ok, vou recuperar os apontamentos de Janeiro!
Avatar do utilizador
hexphreak
top-Quark!
top-Quark!
 
Mensagens: 1959
Registado: Segunda Nov 05, 2007 8:52 pm
Localização: Maia/Porto

Mensagempor jap em Sexta Fev 29, 2008 9:31 pm

Ah, esqueci-me de dizer que este problema é dedicado ao nosso amigo de além-mar, Alexandre, que tem trocado comigo umas pms levantando questões muito interessantes sobre processos adiabáticos irreversíveis!

Um abraço, Alexandre! :wink:
José António Paixão
Departamento de Física da FCTUC
Avatar do utilizador
jap
Site Admin
Site Admin
 
Mensagens: 6801
Registado: Quinta Nov 09, 2006 9:34 pm
Localização: Univ. de Coimbra

Mensagempor hexphreak em Sexta Fev 29, 2008 10:23 pm

Obtive uma temperatura final de ~468ºC, e sendo a temperatura de combustão do papel 233ºC parece-me que não há margem para dúvidas :D

Foi só aplicar os apontamentos da aula da Termodinâmica: o trabalho em termos de pressão, a energia interna em termos da variação de temperatura e a lei dos gases ideais.
última vez editado por hexphreak s Sábado Mar 01, 2008 2:45 pm, editado 1 vez no total
Avatar do utilizador
hexphreak
top-Quark!
top-Quark!
 
Mensagens: 1959
Registado: Segunda Nov 05, 2007 8:52 pm
Localização: Maia/Porto

Mensagempor jap em Sábado Mar 01, 2008 2:03 pm

hexphreak Escreveu:Obtive uma temperatura final de ~468ºC, e sendo a temperatura de combustão do papel 233ºC parece-me que não há margem para dúvidas :D

Foi só aplicar os apontamentos da aula da Termodinâmica: o trabalho em termos de pressão, a energia interna em termos do gradiente de temperatura e a lei dos gases ideais.



Obtive um T_f próximo do teu, cerca de 470 º C, presumo portanto que a tua resolução esteja correcta. :hands:

Quando puderes deixa aqui a tua resolução, para a "posteridade". Há alguns detalhes subtis na resolução sobre os quais eu também gostaria de chamar a atenção, vocês irão ver que este problema tem algumas subtilezas... :P

By the way, não sei se conhecem a novela Farenheid 451 (ficção científica) de Ray Bradbury que se passa numa sociedade onde os livros são proibidos, queimados pela polícia. A temperatura a que arde o papel é 451ºF ~ 510 K... :P

PS: no teu post anterior deves corrigir "gradiente de temperatura" para "variação de temperatura" - gradiente significa derivada em ordem à posição, e representa-se por \nabla em vez de \Delta.
José António Paixão
Departamento de Física da FCTUC
Avatar do utilizador
jap
Site Admin
Site Admin
 
Mensagens: 6801
Registado: Quinta Nov 09, 2006 9:34 pm
Localização: Univ. de Coimbra

Mensagempor hexphreak em Sábado Mar 01, 2008 2:45 pm

Então aqui vai :)

Como sabemos, a variação de energia interna de um sistema é \Delta U = Q + W. Ora sendo este um processo adiabático, Q = 0. Temos também que \Delta U = nc_V\Delta T, em que c_V é a capacidade térmica molar a volume constante, n é a quantidade de substância (moles) e \Delta T a variação de temperatura.

Posto isto, vemos que \Delta U = W = nc_V\Delta T. Mas também sabemos que o trabalho é:

W = -\int_{V_i}^{V_f} P\,dV

e como a pressão externa é constante, temos simplesmente:

W = P_E(V_i - V_f)

Porquê pressão externa? Porque sendo este um processo irreversível, a pressão interna não está sequer definida! Assim sendo, só podemos trabalhar com a pressão externa. Mas agora é fácil: igualamos as duas expressões para o trabalho e determinamos V_i e V_f a partir da lei dos gases ideais (PV = nRT). Resolvendo em ordem a T_f:

P_E \bigg( \frac{nRT_i}{P_i} - \frac{nRT_f}{P_E} \bigg) = nc_V(T_f - T_i) \\
\Leftrightarrow T_f = T_i \frac{R(P_E / P_i) + c_V}{c_V + R}

Substituindo todos os valores (P_E = F / A e c_V = 20.85\,\mbox{J mol^{-1} K ^{-1}} para ar seco a 23ºC), obtemos T_f \approx 470ºC :D

Já conhecia o Farenheit 451, é um excelente livro sobre a maneira como a televisão destrói o interesse pela leitura, escrito, penso eu, nos dias da Guerra Fria :)

jap Escreveu:PS: no teu post anterior deves corrigir "gradiente de temperatura" para "variação de temperatura" - gradiente significa derivada em ordem à posição, e representa-se por \nabla em vez de \Delta.

Claro, que estupidez, conhecendo o gradiente e tudo :? Já corrigi, obrigado por apontar o erro.
Avatar do utilizador
hexphreak
top-Quark!
top-Quark!
 
Mensagens: 1959
Registado: Segunda Nov 05, 2007 8:52 pm
Localização: Maia/Porto

Mensagempor jap em Sábado Mar 01, 2008 6:16 pm

Muito obrigado, Henrique.

Está óptimo! :hands:
O meu resultado só difere ligeiramente do teu porque o valor que usei para c_v do ar é um pouquinho diferente, mas possivelmente o teu é mais correcto...

Já agora, podes mostrar facilmente, a partir da tua expressão, que quando P_E \to \infty, o volume do ar no final da compressão tende para \frac{2}{7}V_i (e não para zero!), o que é um resultado muito giro e contraintuitivo! :lol:
José António Paixão
Departamento de Física da FCTUC
Avatar do utilizador
jap
Site Admin
Site Admin
 
Mensagens: 6801
Registado: Quinta Nov 09, 2006 9:34 pm
Localização: Univ. de Coimbra

Mensagempor hexphreak em Sábado Mar 01, 2008 8:24 pm

jap Escreveu:Já agora, podes mostrar facilmente, a partir da tua expressão, que quando P_E \to \infty, o volume do ar no final da compressão tende para \frac{2}{7}V_i (e não para zero!), o que é um resultado muito giro e contraintuitivo! :lol:

É verdade! :D É que pelo mesmo raciocínio, mas resolvendo em ordem ao volume, obtemos:

V_f = V_i \frac{c_V(P_i/P_E) + R}{c_V + R}

Quando P_E \to \infty, temos V_f \to \frac{RV_i}{c_V + R}. Voltando aos nossos apontamentos, e considerando o ar como um gás diatómico, c_V = \frac{5}{2}R, o que resulta em:

V_f \to \frac{2}{7}V_i

Nada intuitivo realmente!
Avatar do utilizador
hexphreak
top-Quark!
top-Quark!
 
Mensagens: 1959
Registado: Segunda Nov 05, 2007 8:52 pm
Localização: Maia/Porto

Mensagempor jap em Domingo Mar 02, 2008 12:43 pm

Pois é, num processo isotérmico PV = \rm const, pelo que V \to 0 quando P \to \infty. Já num processo adiabático não é assim, porque à medida que comprimes o gás a sua temperatura vai aumentando pelo que "tende" a expandir, "contrariando" a compressão ... e o limte de 2/7 do volume inicial é intransponível, por maior que seja a compressão! :lol:
José António Paixão
Departamento de Física da FCTUC
Avatar do utilizador
jap
Site Admin
Site Admin
 
Mensagens: 6801
Registado: Quinta Nov 09, 2006 9:34 pm
Localização: Univ. de Coimbra


Voltar para Problemas resolvidos

Quem está ligado

Utilizadores a navegar neste fórum: Nenhum utilizador registado e 2 visitantes

cron