Página 3 de 3

MensagemEnviado: Terça Nov 21, 2006 2:55 am
por jmgb
Olá Léo!

Se o recipiente é pequeno comparado ao volume da água a "dançar" dentro dele, parece-me claro que a sua posição influencia a subida da água no seu interior...

Abraço.

MensagemEnviado: Terça Nov 21, 2006 11:14 pm
por jap
Leonardo Escreveu:Já que estamos com problemas que metem água gostava de esclarecer uma dúvida que me surgiu ao ler este problema. Quando temos um recipiente com água que se move com uma aceleração constante, a água vai ter diferentes alturas dependendo da posição no recipiente, certo? Tentei fazer esta experiência com garrafas de água em casa mas não consigo saber se estou a aplicar uma força constante na garrafa e por isso não percebo de que forma é esta dependência, o que a causa ou sequer se é constante no tempo... :?
Alguém me tira esta dúvida?


Leonardo,
Não sei se percebi bem a tua pergunta, mas se o recipiente se move com aceleração constante a, a superfície da água inclina-se, em relação à horizontal, de um ângulo \thetadado por

\tan(\theta)=\frac{a}{g}

como é muito fácil demonstrar.

Fazer a experiência não é difícil. Basta garantir que o copo tem mesmo uma aceleração constante. Por exemplo, pondo um copo meio de água num carrinho com rodas, que se coloca em cima de uma mesa, e puxando o carrinho com uma massa suspensa da mesa e que, ao cair, puxa o carrinho, consegue-se essa situação (e provavelmente partir o copo e entornar a água :lol: ) ...
Repara que no caso do problema da água em rotação, a aceleração não é constante...mas penso que te estavas a referir a um copo, ou garrafa, de água com movimento uniformemente acelerado, é assim? :?

MensagemEnviado: Quarta Nov 22, 2006 5:20 pm
por Leonardo
Pois...agora vejo que a minha dúvida era um bocado idiota. O problema que eu estava a pôr era semelhante ao da água em rotação só que mais simples pois a aceleração não varia com a posição no recipiente. Eu só vi isso depois de postar a mensagem. Também podemos aplicar o princípio de que um campo gravítico é indistinguível de um campo de acelerações. Neste caso o campo gravítico para um observador no recipiente seria a soma dos vectores g e -a logo a superfícia da água teria a forma de uma recta perpendicular a este vector. Neste caso se dermos um piparote numa bola a flutuar no líquido esta vai descer o plano inclinado com velocidade constante. Estranho...ou nem tanto se pensarmos que este plano inclinado é um plano horizontal para um observador em cima da bola.

MensagemEnviado: Quarta Nov 22, 2006 8:40 pm
por jap
Leonardo Escreveu:Pois...agora vejo que a minha dúvida era um bocado idiota...
(...)


A-rule do "Quark!" - neste fórum não há dúvidas idiotas :wink:
- e as respostas também não, podem estar erradas ou mal formuladas, mas isso não é grave, isto é um espaço informal, entre pares...e alguns ímpares! Ti patinhas, quem és tu? :roll:
Abraço,